A EVANGELIZAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA


Texto Áureo Lc. 14.21 – Leitura Bíblica Jo. 5.1-9


Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO
A lição de hoje diz respeito a evangelização das pessoas com deficiência, devemos saber que essas são valiosas aos olhos de Deus, e devem ser respeitadas. Inicialmente faremos algumas incursões introdutórias sobre as pessoas com deficiência. Em seguida, a suficiência de Cristo para alcançar essas pessoas, por meio da Sua graça salvadora. E ao final, mostraremos como Jesus valorizou pessoas que tinham diferentes tipos de deficiência. É importante ressaltar, a princípio, que a Igreja é um ambiente de acolhimento, a todas as pessoas indistintamente, e são valiosas no Reino de Deus.

1. A PESSOA COM DEFICIÊNCIA, CONSIDERAÇÕES INICIAS
Não é fácil se referir as denominadas “pessoas com deficiência”, existem diferentes posicionamentos teóricos a respeito de como nomeá-las. Sempre que alguém se propõe a anunciar ou apresentar uma pessoa com deficiência passa por algum tipo de incômodo, considerando os diversos pontos de vista a respeito de quem elas são. Houve um tempo em que eram denominadas de “portadoras de necessidades especiais”, em outros contextos de “portadores de deficiência”. Por isso, antes de abordar o assunto, queremos deixar claro que não pretendemos ser maldosos ao optar pela expressão “pessoa com deficiência”, e recorremos ao usa das aspas, a fim de mostrar a imprecisão das expressões. Isto posto, destacamos que diante de Deus todos nós somos limitados, e que ninguém pode se considerar completo, de certo modo, somos todos “deficientes”. Mesmo assim, as pessoas que se consideram “sem deficiência”, bem como as “com deficiência”, foram feitas por Deus, que soberanamente as moldou (Sl. 139). Apesar das limitações, Deus ama a todas as pessoas, e preparou um plano especial, para cada uma delas. Há casos, inclusive, que as pessoas são “deficientes” para a glória de Deus, como o cego de nascença de Jo. 8. Nesses últimos anos, a vida de Joni Eareckson Tada, uma mulher que na juventude perdeu a capacidade de mover seus membros, é um exemplo disso. Há vários anos tem testemunhado do imenso amor de Deus pelas pessoas “com deficiência”, levando várias delas aos pés de Cristo, demonstrando Seu amor pelo Salvador. Ela tem realizado um ministério produtivo, viajando por vários países e mostrando às pessoas que Jesus também esteve imobilizado na cruz do calvário. Em meio a uma sociedade que descarta as pessoas que estão fora do mercado de trabalho, o evangelho de Jesus Cristo mostra que a dignidade da pessoa humana independe das suas (im)possibilidades físicas.

2. A GRAÇA DE JESUS É SUFICIENTE PARA TODAS AS PESSOAS
A misericórdia de Deus para com as “pessoas com deficiência” é mostrada nas Escrituras ainda no Antigo Pacto. Mifibosete, um homem que era paralítico, foi chamado a sentar-se à mesa do rei Davi (II Sm. 4.4; 9.10). A mensagem dos profetas conclama todos a servirem a Deus, e promete um futuro “sem deficiência” para aqueles que amam a Deus (Is. 35.1-10). O evangelho de Jesus é inclusivo, no sentido de que todos que estão à margem da sociedade podem ser integrados a ele (Jo. 3.16). A salvação é para todos, pois todos são pecadores, e necessitados da graça de Deus (Rm. 3.23; 6.23; Ef. 2.8,9). As pessoas “com deficiência” também carecem da salvação de Deus. O pecado alcançou a todas as pessoas, inclusive àquelas que “tem deficiência”. Por isso devemos levar o evangelho da graça – favor imerecido – de Deus em Cristo também a elas. É tarefa da Igreja conduzir as pessoas “com deficiência” ao evangelho, mostrando que esse não exclui, muito pelo contrário, antes ressalta o valor da pessoa humana. Esse é um trabalho que deve ser feito com alguma especialidade. Para alcançar os cegos, existem textos bíblicos em braile, ou mesmo em áudio, que podem ser disponibilizados a essas pessoas. A formação em Libras é um investimento que as Igrejas precisam fazer, considerando que essa é uma linguagem que os surdos compreendem. É importante que essas pessoas façam parte do convívio da comunidade de fé, não sejam descartadas em algum espaço anexado à Igreja. O cuidado inicia pela própria arquitetura do templo, que precisa dispor de rampas, elevadores e barras para facilitar a locomoção.

3. JESUS DEMONSTROU O VALOR DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA
O maior exemplo de inclusão no Novo Testamento é dado por Jesus, em uma das suas parábolas, registrada em Mt. 22.1-14, disponibiliza Seu Reino a todos indistintamente, inclusive aos “pobres, e os aleijados, e os mancos, e os cegos (Lc. 14.21). Em Mc. 2.1-12 o Senhor reconhece a fé de um grupo de pessoas que desceu um aleijado pelo teto. Elas “descobriram o telhado onde estava e, fazendo um buraco, baixaram o leito onde jazia o paralítico” (Mc. 2.4). Essa atitude deve motivar a todos que atuam no ministério do cuidado às pessoas “com deficiência”. É preciso destacar a dedicação de vários irmãos e irmãs que buscam aprimorarem seus conhecimentos, através de cursos de capacitação, a fim de alcançarem essas pessoas. Elas são os “anônimos” que conduziram o paralítico a Jesus, descendo-o pelo teto. Há igrejas que “fecham os olhos” a essa realidade, e tratam com descaso as pessoas “com deficiência”. Sabemos que Jesus é Aquele que cura, e pode muito bem fazer um milagre, mas enquanto esse não acontece, nós mesmos devemos ser “o milagre” de Deus na vida dessas pessoas. Uma igreja que é inclusive se preocupa em ganhar as pessoas “com deficiência” para Cristo. Para tanto, devemos ter estratégias para fazê-lo, inicialmente aprender a valorizá-las, assim como fez Jesus. Em seguida, preparar-se para comunicar o evangelho, considerando as especificidades de cada pessoa. É preciso também ter paciência, pois o ritmo de algumas dessas pessoas é diferenciado, e deve ser respeitado. Como resultado da evangelização às pessoas “com deficiência”, testemunhamos, em nossas igrejas locais, a atuação de várias pessoas, algumas surdas, outras cegas, ou paralíticas, que produzem bons frutos para o Reino de Deus.

CONCLUSÃO
A igreja do Senhor Jesus deve se preocupar com a inclusão, para tanto deve evangelizar também as pessoas “com deficiência”. Essa é uma tarefa desafiadora, que carece de formação específica, e o principal, demonstração de amor cristão, considerando a dignidade dessas pessoas, revelada pelo Senhor Jesus, e atestada nas Escrituras. Não esqueçamos que a ordenança de Jesus: “Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura” (Mc. 16.15, inclui a todos, também as pessoas “com deficiência”, para que essas conheçam a conhecerem essa boa nova, que aceita a todos, apesar das nossas limitações.

O PODER DA EVANGELIZAÇÃO NA FAMÍLIA


Texto Áureo At. 16.31 – Leitura Bíblica At. 16. 25-34



INTRODUÇÃO
A Igreja tem a missão de evangelizar Judeia, Samaria e até aos confins da terra (At. 1.8). Mas é importante não esquecer que também temos uma responsabilidade com nossas famílias. A aula de hoje versa a respeito da evangelização dos cônjuges, filhos e demais parentes, quando esses não são crentes. No início da aula trataremos a respeito da constituição da família cristã, em seguida encaminharemos estratégias sobre como ganhar nossos entes queridos para Cristo.

1. A FAMÍLIA QUE É CRISTÃ
A sociedade ocidental, e mais especificamente os cristãos, estão diante do desafio de apresentarem uma definição do que seja família e casamento. Isso porque o padrão de família normal, em conformidade com a Bíblia, está sendo cada vez mais questionada. A visão judaico-cristã de família, exarada nas Escrituras, está sendo substituída por valores pautados nos direitos humanos. A família cristã, no entanto, parte do pressuposto que a família é uma instituição divina, por conseguinte, Ele, e não os homens, devem determinar a partir de quais princípios a família deve ser estabelecida. A ideologia libertária, que predomina na sociedade, e respaldada pela mídia, propõe um conceito de família que supervaloriza a liberdade humana em detrimento da vontade de Deus. Não existe outro modelo bíblico, e mais especificamente cristão, para a família e o casamento, diferente daquele revelado por Deus. A partir de Gn. 1-3, compreendemos que: 1) o homem e a mulher foram criados à imagem de Deus para governar a terra para Deus; 2) o homem foi criado primeiro e incumbido da responsabilidade final pelo relacionamento conjugal, enquanto a mulher é colocada junto ao homem para ser sua ajudadora; e 3) a queda da humanidade no pecado implicou em consequências negativas tanto para o homem quanto para a mulher. Ao longo do tempo, a família se constituiu, dentro dos parâmetros bíblicos, a partir de um paradigma patriarcal, ou seja, o pai, no Antigo Pacto, era o senhor da família, de cunho heterossexual, isto é, macho e fêmea, e monogâmico, um homem para uma mulher, e vice-versa. Todo cristão deve investir nos valores cristãos em seu lar, e ao mesmo tempo, deve compreender que existe a possibilidade de um ou mais membros não partilharem da mesma fé.

2. QUANDO HÁ PESSOAS DESCRENTES NA FAMÍLIA
O modelo cristão para a família deve ser perseguido por todos aqueles que delas fazem parte. No entanto, devemos estar cientes que nem sempre esse desejo se realiza. Existem famílias que um dos cônjuges se converteu depois do casamento, e nesses casos, o convívio é respaldado pela Palavra de Deus (I Co. 7.12-14). Com sabedoria, principalmente com o genuíno amor cristão, o cônjuge deve ser testemunha do evangelho de Cristo (EF. 5.25). É possível também que os filhos não sejam crentes, por isso os pais também devem investir para que esses tenham o conhecimento da Palavra. É preciso ressaltar que o fato de a família ter pessoas não crentes não faz com que essa deixe de ser uma família. Os crentes não devem se envergonhar por ter um membro da família não-crente. É importante ensinar as crianças a andarem no caminho desde cedo, a fim de que eles não venham a se desviar dele (Pv. 22.6). Esse, porém, é um princípio geral, e não pode ser aplicado indistintamente. Evidentemente, se uma criança é ensinada na Palavra, as chances dessa se desviar são bem menores. Há outro esclarecimento necessário, o texto bíblico de At. 16.25-34 é uma narrativa lucana, que expressa o ocorrido em Filipos. O versículo 31 “crê no Senhor Jesus e serás salvo tu e tua casa” é uma constatação de Paulo para o carcereiro daquela cidade. Qualquer cristão pode orar pela conversão de um membro da família, mas isso não garante que esse tomará sua decisão, pois Deus não obriga ninguém a crer no evangelho. A apropriação desse versículo como se fosse uma promessa não tem respaldo interpretativo, e pode resultar em frustração, caso um dos membros da família não venha a tomar sua decisão por Cristo.

3. COMO GANHAR OS ENTES QUERIDOS PARA CRISTO
Os membros crentes da família devem conduzir seus entes com amor, para que esses venham a perceber a singeleza do evangelho de Cristo. Essa não é uma tarefa fácil, e pode resultar em ansiedade por aqueles que estão imbuídos dessa responsabilidade. Em relação aos filhos, é importante que desde cedo eles sejam ensinados a viver a partir da Palavra de Deus. Isso é necessário porque os filhos dos evangélicos também precisam ter a experiência do novo nascimento (Jo. 3.3). Os pais cristãos devem investir na formação cristã dos seus filhos. Para isso devem dar-lhes uma Bíblia, para que desde cedo amem a Palavra de Deus. Outros recursos também estão disponíveis no mercado evangélico, que favorecem a evangelização, filmes e jogos bíblicos cumprem um papel importante para esse fim. Levá-los a Escola Bíblica Dominical tem tido resultado eficaz no processo de evangelização dos filhos. Os pais que não apenas enviem os filhos para a EBD, mas que também a frequentam com eles, contribuindo, assim, para o desenvolvimento de uma consciência cristã desde cedo. Em relação à evangelização de cônjuges descrentes, é preciso fazer um esclarecimento: jovens solteiros não podem correr o risco de namorem com pessoas descrentes, sob a justificativa de evangelizá-los, pois isso se constitui em jugo desigual (II Co. 6.14). Estamos tratando aqui de casos em que alguém casado se converteu, e o seu cônjuge não tomou sua decisão pelo evangelho. O cônjuge que não é cristão pode ser alcançado através de demonstrações de afeto, e de cumprimento das responsabilidades e deveres conjugais (I Co. 7.15; I Pe. 3.7). Há cônjuges que após a conversão deixam de dar a devida atenção ao enlace conjugal. Os maridos devem atentar para as necessidades da sua esposa, e esta, por sua vez, deve estar ciente das suas responsabilidades conjugais (I Pe. 3.1-6).

CONCLUSÃO
Devemos reconhecer que existem famílias cristãs compostas por algumas pessoas que não partilham da mesma fé. Cabe a igreja compreender aqueles que estão trabalhando para evangelizá-los. E ajuda-los em oração, para que esses tenham a oportunidade de tomar sua decisão por Cristo. Os membros da família que estão evangelizando seus entes queridos não crentes devem ter paciência. Devem agir também com sabedoria, e tal como Noé, levarão seus familiares para a arca, que é um símbolo de Cristo.

A EVANGELIZAÇÃO DAS CRIANÇAS


Texto Áureo Mt. 18.14 – Leitura Bíblica Mt. 18.2-6; Mc. 10.13-16




INTRODUÇÃO
Quando a igreja local decide evangelizar, a iniciativa geralmente é a de ganhar os adultos. Mas não podemos esquecer que as crianças também precisam ser alcançadas para Cristo. Na aula de hoje estudaremos a esse respeito, destacando, inicialmente, a partir das Escrituras, pessoas que desde criança serviram a Deus. Em seguida, mostraremos a necessidade de evangelizar as crianças, bem como a importância de desenvolver estratégias eficazes.

1. CRIANÇAS QUE CRESCERAM
As Escrituras destacam a relevância do ensino para as crianças, a esse respeito destaca o autor dos Provérbios: “instrui o menino no caminho em que deve andar, e, até quando envelhecer, não se desviará dele” (Pv. 22.6). De fato, a criança que é educada “na doutrina e admoestação do Senhor” (Ef. 6.4), tende a dar menos trabalho, e a crescer no temor da Palavra de Deus. Na Bíblia encontramos vários personagens que ainda na infância deram seus frutos para o Senhor, e continuaram a fazê-lo depois que cresceram. Moisés desde pequeno recebeu os ensinamentos de sua mãe (Ex. 2.9), mais tarde foi levado ao palácio de Faraó, sendo adotado pela filha de Faraó (Hb. 11.24). Samuel também foi uma criança que cresceu no temor do Senhor, sua mãe Ana o dedicou ao serviço no templo (I Sm. 1.20-28). Desde a juventude aprendeu a ouvir a voz de Deus (I Sm. 3.19). A autor da Epístola aos Hebreus o colocou no rol dos heróis da fé (Hb. 11.32,33), destacando seu exemplo de fidelidade. Timóteo, desde a sua meninice, sabia “as sagradas letras” (II Tm. 3.15), que havia aprendido de sua mãe Eunice e esta, por sua vez, de sua mãe, Lóide (II Tm. 1.5). Davi aprendeu na juventude a importância de agradar a Deus, vindo a ser escolhido como rei de Israel (I Sm. 16.1). Deus era com Davi desde a infância, abençoando-o em tudo que fazia (I Sm. 16.13-18). Daniel e seus amigos, Hananias, Misael e Azarias, quando crianças, foram ensinados na Palavra de Deus, por isso decidiriam não se contaminar com as iguarias do rei (Dn. 1.8). O ensino bíblico para as crianças é uma orientação divina, a fim de que essas continuem servindo ao Senhor, mesmo quando vierem a crescer.

2. GANHANDO AS CRIANÇAS PARA CRISTO
As crianças também precisam ser alcançadas para Cristo, principalmente nos dias atuais, marcados pelo secularismo, predominante nos meios de comunicação. As mídias modernas estão semeando valores deturpados nos corações das crianças. Os pais, e a igreja em geral, precisam estar atentas, e levarem o evangelho para os pequeninos. Precisamos nos antecipar, e chegar antes do mundo, a fim de evitar que a semente fique à beira do caminho (Mt. 13.4-19). Há quem diga que a criança é apenas meia vida, mas na verdade, é uma vida inteira que pode ser dedicada a Cristo. Por isso, devemos lançar o pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharemos (Ec. 11.1). Aproveitemos, pois, essa faixa etária, pois as crianças costumam, não ter malícia (I Co. 14.20), ouvir com atenção os ensinos, receberem a mensagem com simplicidade, potencial para guardar os ensinamentos, curiosidade e aprendizado rápido. Devemos considerar a importância que Jesus deu às crianças, certa feita Ele as colocou no meio dos discípulos (Mt. 18.2). E acrescentou: “qualquer que escandalizar um destes pequeninos que creem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma mó de azenha, e se submergisse na profundeza do mar” (Mt. 18.6). As congregações evangélicas devem despertar para valorizar o departamento infantil. Há igrejas que colocam as crianças em dependências que parecem mais depósitos. A valorização dessa faixa etária é demonstrada também pela posição que ocupam na arquitetura do templo.

3. ESTRATÉGIAS PARA EVANGELIZAR AS CRIANÇAS
Precisamos evangelizar tantos as crianças de fora quanto as de dentro da igreja. Os filhos dos crentes devem ser ensinados na Palavra, até que cresçam e tomem sua decisão por Cristo. É preciso planejar estratégias tanto para alcançar as crianças filhos ou não de evangélicos. Para isso precisamos usar uma linguagem acessível, utilizar figuras bíblicas, e até mesmo filmes cristãos, que despertem o interesse pela Bíblia. A Escola Bíblica Dominical continua sendo um dos meios mais eficazes para conduzir crianças a Cristo. Os pais devem esforçar-se para trazê-las ao templo (Dt. 6.6,7). Os pais de Jesus também deixaram esse exemplo, eles levaram o pequeno para o templo, a fim de adorar a Deus na pascoa (Lc. 2.27, 42). As Escolas Bíblicas de Férias também cumprem um papel importante na evangelização de crianças. A igreja deve investir na realização desse tipo de atividade, a fim de congregar as crianças em torno de atividades dinâmicas, que favoreçam a integração cristã. Existem ainda formas diversas de incentivá-las a permanecerem no temor do Senhor: inserindo-as em grupos de louvores, para cantarem ao Senhor (Sl. 8.2), sempre que possível dando-lhes oportunidade para cantar e pregar (Pv. 20.11), realizando cultos de oração para que essas aprendam a buscar a Deus, e a depender da providência do Senhor. Há outras estratégias produtivas para a evangelização de crianças, basta usar a criatividade, e o mais importante, mostrar que temos interesse por elas. É maravilho saber que existem pessoas vocacionadas para exercer esse ministério nas igrejas. Que sejamos despertamos não apenas a orar por elas, mas também apoiá-las a fim de que desempenhe as tarefas a contento.

CONCLUSÃO
A evangelização das crianças é uma tarefa da igreja, e não deve ser postergada. Os pequeninos, mesmo que não sejam valorizados pela sociedade, precisam ser estimados pelos cristãos, sobretudo aqueles que se encontram em condição de vulnerabilidade. Jesus, por também ter sido criado na fé desde a infância (Lc. 2.52), ressaltou o valor das crianças no Seu ministério (Mt. 18.14). Evangelizemos, pois, os infantes, cientes que esses, ao crerem em Cristo, se tornam parte do Corpo, não são o futuro da igreja, mas já o presente.